LOCAIS PARA APLICAR INSULINA

LOCAIS PARA APLICAR INSULINA
LOCAIS PARA APLICAR INSULINA

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Mitos e Verdades sobre a Diabetes Tipo 1 e Tipo 2.

Há muito tempo atrás, a palavra diabetes era sinônimo de pânico. Muitos mitos rodam uma doença que está se tornando cada vez mais comuns nos brasileiros. Nossa matéria vai mostrar que, com cuidado, todo diabético pode e deve levar uma vida normal.

CADA TIPO DE DIABETES TEM UM TRATAMENTO.Muita gente acha que quem é diabético nasce com a doença. Nem sempre é assim. Existem dois tipos de diabetes, a diabetes tipo 1, quando o corpo pára de produzir insulina ou produz em quantidade insuficiente, hormônio que regula os níveis de açúcar no sangue, e a diabetes tipo 2, quando a insulina produzida é incapaz de metabolizar as células adiposas no organismo. Mas as diferenças não param por aí veja o quadro.
diabetes Tipo 1diabetes Tipo 2
CausasSem origem definidaSedentarismo, obesidade, e hereditariedade
TratamentoUso diário de insulinaDieta e remédios
Idade mais comumPessoas com menos de 35 anosPessoas acima de 40 anos


UMA DOCE VIDA NORMAL
Infelizmente diabetes não é uma doença que possa ser curada, apesar dos esforços da medicina. Na verdade, quem possui a doença precisa fazer algumas adaptações necessárias no seu dia a dia, independente se você tem o Tipo 1 ou o tipo 2. É o que explica a fisioterapeuta Renata Bichara (que até já nos ajudou em matérias anteriores): “Tenho diabetes tipo 1 desde os 9 anos de idade.
No começo foi difícil, afinal não existia no mercado as inúmeras opções de produtos diet. Imagine explicar para uma criança que ela vai precisar tomar injeções todos os dias e que não pode mais comer doces ou tomar refrigerantes. Minha família inteira teve que se adaptar, mas hoje, já adulta levo uma vida absolutamente normal. Só que ás vezes tenho que parar o que estou fazendo para tomar insulina ou para fazer o teste de glicemia.”
VOCÊ É O QUE VOCÊ COME:No começo da matéria dissemos que a diabetes é uma doença cada vez mais comum no Brasil, isso porque a mudança de hábitos alimentares e sociais fez com que houvesse um grande aumento de casos da diabetes tipo 2. Hoje os brasileiros estão consumindo muito mais gordura e açúcar e estão cada dia mais sedentários. Para se ter uma ideia, estima-se que 60% a 90% dos doentes sejam obesos. Por isso é fundamental ter uma alimentação balanceada e fazer regulamente exercício físico.
FIQUE DE OLHO.Muitas vezes a diabetes é uma doença silenciosa, fique atento e procure um médico se você ou alguém da sua família possui esses sintomas:
• Muita sede
• Vontade de urinar diversas vezes
• Aumento ou perda de peso (mesmo sentindo mais fome e comendo mais do que o habitual)
• Fome exagerada
• Visão embaçada
• Infecções repetidas na pele ou mucosas
• Machucados que demoram a cicatrizar
• Fadiga (cansaço inexplicável)
• Dores nas pernas por causa da má circulação.
Os diabéticos ainda podem sofrer de hipoglicemia, baixo nível de açúcar no sangue e hiperglicemia, quando o açúcar está muito alto. Por isso procure sempre um médico e não descuide da sua saúde, basta ter alguns cuidados para levar uma vida normal.

Fonte: Fotosantesedepois

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Controle da halitose está em suas mãos

Entrevista com a endocrinologista Geísa Campos de Macedo, da Universidade de Pernambuco.

Já aconteceu de você alguma vez sentir que está com problemas de mau hálito? A halitose - que se caracteriza pelo hálito com cheiro de maçã estragada - pode ocorrer principalmente em quem tem diabetes tipo 1, quando a pessoa está com a glicemia descompensada, explica a endocrinologista Geísa Campos de Macedo, da Universidade Estadual de Pernambuco.
Ela acrescenta, entretanto, que o problema vem se tornando cada vez menos frequente porque a conscientização de que o auto-cuidado é importante está mais disseminada do que há alguns anos.
A halitose no diabético acontece por causa da cetoacidose, que ocorre quando a quantidade de insulina é insuficiente para suprir as necessidades do organismo. Isso pode acontecer quando um portador de diabetes do tipo 1 não aplica insulina suficiente ou quando ele está em uma situação em que os hormônios do estresse estão elevados. Se não existe insulina suficiente para permitir que as células utilizem a glicose presente no sangue, elas vão utilizar as gorduras como fonte de energia.
Geísa alerta que quando há problemas frequentes de hálito o mais provável é que a pessoa esteja com algum comprometimento na boca. Quem tem diabetes está mais sujeito a gengivite e periodontite - caracterizadas por inflamação nas gengivas e por complicações ósseas em torno dos dentes -, que também provocam modificações no hálito.
Segundo a cirurgiã dentista Ana Miriam Gebara, do Centro de Atendimento a Pacientes Especiais (Cape) da Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, prevenir doenças da gengiva requer correta escovação e uso de fio dental. Ela alerta que as doenças periodontais podem contribuir para o agravamento do controle glicêmico e aumentam o risco de infecção em outras partes do organismo e de ocorrência de doenças cardiovasculares. Tanto Ana Miriam quanto Geísa recomendam ainda que pessoas com diabetes façam visitas trimestrais ao dentista para o acompanhamento e prevenção desses problemas.

Fonte: Diabetesnoscuidamos

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

45 Receitas para as Festas de Fim de Ano

Clique no Link abaixo para ver o Livro de Receitas:

http://www.news.med.br/p/saude/53165/index.pl/culinaria_diabeticos.pdf?C=A&V=66506F737449443D3533313635266646696C6549443D3131393530266163743D67657446696C65

Nutrição: Dicas saudáveis

Muita gente passa o ano sonhando com prato de Natal. Por isso, dia de ceia, normalmente, é dia de excessos. Mas, como as festas no país acontecem no verão, é importante não se descuidar da saúde. Segundo a nutricionista Maria Angela Marcondes, o ideal é que as pessoas apostem em uma alimentação leve e refrescante para encarar o calor.

Para uma ceia alegre e charmosa, a nutricionista aposta nas frutas da época, tanto para compor alguns pratos, quanto para enfeitar a mesa. “Cereja, lichia, melancia, abacaxi, acerola, pêssego, goiaba, manga, caju e tantas outras. Cada uma com sua particularidade na cor, sabor, aroma e benefícios para a saúde”, afirma.

O peixe também deixa a ceia mais requintada e saborosa, e são tantas as opções de peixes, que dá para agradar a todos os paladares. “Já para quem optar por carne suína, aconselho um acompanhamento mais leve, como uma salada de quinua com amêndoas e damascos, ou um arroz integral com nozes. Para sobremesa: frutas frescas e sorvete com baixa gordura trans, como a base de iogurte e Goma Gar”, acrescenta a nutricionista.

Neste ano, a ceia de Natal pode ficar até 12,15% mais cara em todo o Brasil. Os principais vilões do encarecimento são o lombinho suíno, com alta de 14,99%, seguido do frango inteiro, variando 10,21% e o pernil suíno, subindo 9,71%. Por outro lado, o bacalhau apresentou queda de 4,15% no preço. Neste cenário, a saúde dos consumidores pode ser beneficiada. “Alguns peixes são fonte de Ômega 3, como o bacalhau e o salmão, e auxiliam na saúde do coração, sistema nervoso e colaboram para evitar o acúmulo da gordura na região abdominal. Assado, ensopado, ou até mesmo na churrasqueira, são ótimas opções de preparo”, diz Maria Angela.

Outra boa notícia neste Natal é que os fabricantes de panetone devem reduzir a quantidade de gordura trans em 2%. O limite foi baseado em recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) e firmado em acordo entre a Abia (Associação Brasileira das Indústrias da Alimentação) e Ministério da Saúde.

A nutricionista explica que a gordura trans está presente na maioria dos alimentos industrializados, como biscoitos, sorvetes, chocolate e congelados. “A gordura hidrogenada ou trans endurece as artérias, aumentando o risco de infartos e derrames. Também há estudos relacionando o consumo dessa gordura com a Síndrome Metabólica – aumento da gordura abdominal, dislipidemias, esteatose hepática (gordura no fígado), resistência a insulina e diabetes tipo 2. Por isso, a redução desta gordura no panetone é realmente um boa notícia”, finaliza Maria Angela.

Fonte: Ana Ligia Noale

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Vacina sueca contra diabetes

70 crianças testaram a vacina que pode mudar a vida daqueles que foram diagnosticados com diabetes mellitus tipo-1 Imagem: Stock Xchng

A vacina chama-se Diamyd e contém GAD (link em inglês), uma enzima que é produzida naturalmente pelo corpo humano. Esta substância é capaz de assegurar que as defesas do organismo não ataquem as células produtoras de insulina, o que ocasiona a diabete tipo-1. Quando as crianças ficam doentes, 80 % das células produtoras de insulina já foram destruídas. Com a vacina, espera-se salvar as células que ainda resistem.

"Através da injecção de uma baixa dose de GAD espera-se poder aumentar a tolerância à substância e com isso evitar que mais células produtoras de insulina sejam atacadas e morram", explica Johnny Ludvigsson, médico-chefe na clínica infantil do hospital universitário de Linköping.

Ludvigsson afirma que a doença torna-se mais fácil de ser tratada se o corpo do paciente ainda produz insulina. "Dessa forma, há menos picos de alteração de glicose no sangue e poucas complicações a longo prazo", complementa.

O estudo sueco comportou 70 crianças com diagnosticadas com diabetes tipo 1 e mostrou-se eficaz. Os pacientes tomaram duas injeções com um mês de intervalo entre elas. Metade dos participantes recebeu a vacina e a outra metade placebo. "Se a vacina funciona, teremos, pela primeira vez, conseguido tratar uma doença auto-imune com auto-antígeno", comenta Johnny Ludvigsson.

"Foi constatado que as crianças que tomaram a vacina conservaram muito mais sua própria produção de insulina. No entanto, a perda de celulas produtoras de insulina foi duas vezes maior nos pacientes que receberam o placebo. O maior efeito da vacina foi visto nas crianças diagnosticadas com diabetes a menos de três meses", diz Ludvigsson.

Agora, pesquisadores se voltam para a busca da cura da diabetes tipo-1. Um estudo piloto na região da Scania (Skåne) com 50 crianças entre quatro e nove anos pretende verificar se a vacina consegue evitar que a doença apareça. "Nossa esperança é evitar o aparecimento da diabete tipo-1", declara Helena Elding Larsson, responsável pelo estudo e médica-chefe de medicina infantil no hospital universitário de Malmö.

Fonte: http://oglobo.globo.com/blogs/suecia/posts/2010/01/19/vacina-sueca-contra-diabetes-258921.asp

Vacina para a diabetes pode se tornar realidade

 Um novo remédio preserva as células produtoras de insulina e pode levar à cura do tipo 1 da doençaExplorar os mistérios do sistema de defesa do organismo é um dos campos de pesquisa mais promissores da atualidade na busca de novas opções para deter a diabetes tipo 1. Ela se instala no momento em que o corpo inicia a produção de anticorpos contra células do pâncreas, chamadas beta. São elas que produzem a insulina, o hormônio que permite a entrada da glicose nas células – nelas, é usada como combustível. O que, exatamente, deflagra esse processo é uma incógnita para a ciência. Porém, uma vez destruídas, as células beta não se regeneram. Consequentemente, a insulina precisa ser reposta na forma de medicamentos para o resto da vida. A mais recente descoberta para conter essa destruição é uma vacina desenvolvida na Universidade Calgary, no Canadá, e que foi anunciada na edição online do prestigiado jornal científico “Immunity”. “Os testes em humanos começam em dois anos”, disse à ISTOÉ o pesquisador espanhol Pere Santamaría, que esteve à frente do estudo e é diretor do centro de pesquisa em diabetes da universidade canadense.

Para chegar à vacina, os cientistas antes estudaram detalhadamente um dos mecanismos do nosso sistema imunológico. Na iminência da doença, formam-se soldados que tentam defender as células beta dos ataques. Eles são chamados de linfócitos T reguladores e, segundo os pesquisadores, sua capacidade de resistência é o que impõe à doença uma evolução lenta e gradual. A equipe de Santamaría foi atrás dessas células para delas extrair uma proteína envolvida na sua multiplicação. A partir de uma única amostra, a proteína foi sintetizada no laboratório. “Depois, nós a usamos para envolver uma nanopartícula, como se fosse um casaco”, explicou Santamaría.

Nos testes iniciais, essas nanopartículas foram injetadas na circulação sanguínea de ratos com a doença. Percorreram o organismo até encontrar as células reguladoras T e levar, para dentro delas, a proteína incumbida de expandir sua produção. Desse modo, eleva-se a quantidade de soldados do lado que luta para bloquear o ataque às células pancreáticas. Trata-se, portanto, de uma amplificação de um processo de resistência à diabetes já desenhado pelo organismo.

O resultado foi entusiasmador. Parte dos animais ficou curada da diabetes tipo 1 com a nova vacina, enquanto outros passaram a necessitar de doses menores de insulina. “É uma ótima perspectiva para a cura da diabetes tipo 1”, diz Fadlo Fraige Filho, diretor do serviço de endocrinologia do Hospital Beneficência Portuguesa, de São Paulo.
O pesquisador Santamaría acredita que a estrutura criada para a sua vacina poderá ser adaptada para o tratamento de outras doenças nas quais o corpo se autoataca, como a artrite reumatoide. “Tudo o que é necessário fazer é mudar a proteína usada”, diz ele. Entre médicos e pesquisadores, há grande expectativa por mais avanços nessa direção. “Os estudos nessa área são a prioridade de pesquisa no mundo”, diz Fraige Filho.

Entre outras pesquisas que estão em andamento, estuda-se, em vários países, a eficácia de um fármaco a ser ministrado, em três doses, até 19 semanas depois que a diabetes tipo 1 se manifestou também para suprimir a investida contra as células fabricantes de insulina. Outro ponto marcado nesse terreno são as terapias desenvolvidas na Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto, e já testadas em seres humanos. Ali, o imunologista Júlio Voltarelli e o endocrinologista Carlos Eduardo Couri recorrem ao transplante de células-tronco para controlar a diabetes tipo 1. Neste caso, a proposta é bombardear e destruir com quimioterapia o sistema imunológico defeituoso, que agride o próprio corpo, para depois injetar células-tronco tiradas de um indivíduo saudável e, desse modo, reiniciar as defesas sem as alterações que as fazem atacar os fabricantes da insulina.

Os pesquisadores também estão ocupados em melhorar a qualidade de vida de pacientes que carregam as bombas de insulina – dispositivos acionados pelo indivíduo para injetar insulina depois de medir, por meio de uma picadinha no dedo, a quantidade de açúcar (a glicose) no sangue. A novidade é um aparelho que funciona como um pâncreas artificial, criado por cientistas do Massachusetts General Hospital, em Boston, nos Estados Unidos, e divulgado pela revista acadêmica “Science Translational Medicine”.

Duas inovações importantes diferenciam o modelo em teste: a primeira é um sistema de medição da quantidade de açúcar no sangue em tempo real. Os dados são coletados por sensores e enviados a um computador, que ministra a dose certa de insulina. A outra é a inclusão de disparos de glucagon, hormônio atuante no equilíbrio dos níveis de glicose no sangue. “Não havia bomba com glucagon. Estudos mostrados em congressos médicos indicam que isso pode manter os níveis de açúcar estáveis no sangue por 24 horas, evitando crises”, diz Fraige Filho. Nos testes, o aparelho deu bons resultados para os diabéticos tipo 1. Por isso, os cientistas pensam em adaptar o protótipo para pacientes de diabetes tipo 2. Neste caso, beneficiaria, no total, 300 milhões de pessoas que vivem com diabetes no planeta.

O perigo da diabulimia

Diabulimia é um termo desconhecido para muitos médicos. Mas não entre jovens com diabetes tipo 1. O nome é uma associação entre a diabetes e o transtorno alimentar da bulimia (para não engordar, a pessoa força a eliminação do que ingeriu através de vômitos). Alguns diabéticos culpam, erradamente, a insulina injetada pela dificuldade em perder peso. Resultado: passam períodos sem tomar o medicamento.

A ciência estuda a associação entre essas doenças. “O medo de ganhar peso se torna maior do que o de ter uma complicação da diabetes”, diz o endocrinologista João Regis Carneiro, do Rio de Janeiro. Como a maioria dos jovens controla sozinho em casa a aplicação do remédio, a redução da dosagem pode virar segredo.

A estudante Heloiza Coelho, 17 anos, de São Paulo, descobriu na internet que meninas diabéticas paravam de tomar a insulina para emagrecer. “A princípio, achei loucura”, conta. “Mas não conseguia afastar o pensamento de que, se não fosse a insulina, teria um corpo melhor.” A jovem foi internada por cinco dias depois de parar de tomar o hormônio. Hoje, controla o peso com atividade física, boa alimentação e faz acompanhamento psicológico.

por Mônica Tarantino

sábado, 4 de dezembro de 2010

Exames de Diabetes - Conheça mais sobre cada exame a sua finalidade

Monitorização Domiciliar
A medida da glicose no sangue capilar é muito apropriada para avaliação da glicemia antes das refeições, permitindo a utilização de insulinas ultra rápidas. No entanto, algumas vezes razões de ordem psicológica, econômica ou social dificultam a realização desta técnica. O exame é rápido e de fácil execução.

Recomenda-se o uso da lanceta tornando o exame praticamente indolor.

Há uma grande variedade de glicosímetros disponíveis no mercado, todos são de boa qualidade e aferem com bastante segurança a glicemia capilar.

A cetonúria serve para indicar a presença de grande descompensação do Diabetes, podendo ser evidenciados em pacientes virgens de tratamento; naqueles que eventualmente tenham interrompido o tratamento insulínico; ou pela presença de alguma intercorrência orgâúnica grave, tais como: IAM, Infecções graves.

A presença de cetonas na urina é um sinal de alarme de que a situação metabólica está fora de controle. Por isso é preciso procurar um médico, ou um serviço de emergência para descobrir o que está de fato esta acontecendo de errado.


Hemoglobina Glicada e Frutosamina
O exame de Hemoglobina Glicada possui enorme importância na avaliação do controle do diabetes. É capaz de resumir para o especialista e para o paciente em tratamento se o controle glicêmico foi eficaz, ou não, num período anterior de 60 a 90 dias.

Isso ocorre porque durante os últimos 90 dias a hemoglobina vai incorporando glicose, em função da concentração que existe no sangue. Caso as taxas de glicose apresentem níveis elevados no período, haverá um aumento da hemoglobina glicada.

Sempre é necessário individualizar o valor de A1C (hemoglobina glicada), levando em conta vários dados clínicos como idade, presença de outras doenças e/ou risco de eventos freqüentes de hipoglicemias.

Estudos clínicos, realizados em grandes centros foram capazes de demonstrar que a manutenção de A1C em valores o mais próximo possível do normal foi acompanhada de redução significativa do surgimento e da progressão das complicações micro e macro-vasculares. Isso ocorreu tanto em pessoas com diabetes do tipo 1 (DCCT), quanto do tipo 2 (UKPDS).

Para consensos nacionais e internacionais, o valor de A1C mantido abaixo de 7% promove proteção contra o surgimento e a progressão das complicações microvasculares do diabetes (retinopatia , nefropatia e neuropatia).

As pessoas que já apresentam complicações em estágios avançados (insuficiência renal terminal, doença vascular difusa) ou que são portadores de outras condições clínicas que reduzem a qualidade de vida podem ter como meta de tratamento valores de A1C um pouco mais elevados.

Outros exames como “dosagens da taxa de glicemia” (no laboratório) e “glicemia capilar (ponta de dedo)” apresentam parâmetros que podem sofrer oscilações importantes por influência de diversos fatores, tais como: alimentação, exercícios, medicação etc. Mas, é claro, não deixam de ser importantes e devem continuar a fazer parte do acompanhamento das pessoas com diabetes.Vale ressaltar o papel da glicemia capilar para os pacientes insulino-dependentes, permitindo o ajuste das doses de insulina naquele determinado momento.

Frutosamina
Este exame é capaz de apresentar o controle glicêmico das últimas 4 a 6 semanas. Pode ser útil para a avaliação de alterações do controle de diabetes em intervalos menores, para julgar a eficácia de mudança terapêutica, assim como no acompanhamento de gestantes com diabetes.

A dosagem da Frutosamina também pode ser indicada quando, por razões técnicas, a A1C não é considerada como um bom parâmetro de seguimento (hemoglobinopatias e na presença de anemia).


Exames para Detectar Complicações Crônicas

Retinopatia Diabética
No caso do diabetes tipo 1, após cinco anos do diagnostico é recomendável a realização de um exame oftalmológico anual. O foco principal deverá ser a oftalmoscopia com dilatação pupilar. Após a primeira realização, este exame poderá ser feito anualmente.

Já no caso do diabetes tipo 2, como não se sabe por quanto tempo a pessoa é portadora da doença, é recomendável que o exame seja realizado assim que o quadro seja diagnosticado.

É interessante que o exame fique fotografado para auxiliar a avaliação posterior e o plano de tratamento por meio da Retinografia (fotografia do fundo do olho). No caso de aparecerem sintomas de Retinopatia, tal análise deverá ser complementada com a Angiografia, que é o registro da imagem da circulação da retina.

Nefropatia Diabética
Esta complicação acontece quando se detecta albumina na urina, assim como alterações da taxa de filtração glomerular. Esta constatação é feita através da Microalbuminúria e do Clearence de creatinina É importante que este exame seja realizado anualmente nas pessoas com diabetes. (há pelo menos 5 anos após o diagnóstico do Tipo 1 e, imediatamente, com a constatação do Tipo 2).

É comum surgir algum resultado alterado. Isso ocorre porque várias situações podem gerar resultados positivos. São elas: infecção urinária, exercícios físicos, diabetes e hipertensão mal controlados. Por isso é muito importante a confirmação em outras amostras. Esses exames são realizados em urina de 24h.

Neuropatia Diabética
É comum que as pessoas com diabetes não apresentem sintomas de neuropatia, tornando-se necessário uma atenção especial nestes casos. Estatísticas apontam que cerca de 60% dos portadores de diabetes desenvolvem neuropatia. Deste universo, apenas 20% são sintomáticos.

Exames clínicos (como avaliação dos pés, testes de sensibilidade), com monofilamento dos reflexos tendinosos, podem identificar a presença de neuropatia em muitas pessoas. Mas também é possível avaliar a função dos nervos através da chamada eletroneuromiografia. Esse exame é composto de duas etapas: o estudo de condução nervosa (ou eletroneurografia) e a eletromiografia.

Na parte inicial do exame são aplicados pequeninos choques nos nervos, produzindo respostas que são registradas. Na parte final, utiliza-se uma agulha fina, para registrar a atividade elétrica dos músculos.

O estudo de condução nervosa é suficiente para diagnosticar as formas mais comuns de neuropatia diabética (como a polineuropatia distal e a síndrome do túnel do carpo), não sendo necessária a realização do exame com agulhas.

É recomendável que a avaliação da neuropatia diabética seja feita anualmente em todos os pacientes com diabetes, a partir do 5º ano da doença ou em casos onde já existam sintomas antes dessa época.

Complicações Cardiovasculares
Para todas as pessoas com diabetes, é importante uma avaliação anual sobre o risco de doenças cardio-vasculares.

Além do exame clínico com o médico, é recomendável a realização dos exames de rotina relacionados com os fatores de risco, assim como:

Avaliação do diabetes;
Colesterol total, HDL, e LDL;
Triglicérides;
Pressão arterial.

Quando indicado, a realização de testes para a detecção de isquemia miocárdica. Alguns testes são indicados para essa avaliação observando-se as características de cada paciente:

Ecocardiograma;
Teste ergométrico (o chamado teste de esforço ou esteira);
Teste ergométrico com cintilografia miocárdica (MIBI).

Em situações especiais, para pacientes impossibilitados de realizar atividades físicas outros exames podem ser necessários para a detecção de isquemia miocárdica:

Cintilografia miocárdica com stress farmacológico (Dipiridamol + MIBI)
Ecocardiograma com stress farmacológico (ECO + Dobutamina/ECO + Atropina).

Esses exames auxiliam na obtenção do diagnóstico precoce da insuficiência coronária. O que pode resultar na prevenção de eventos cardíacos maiores. Os pacientes com baixo risco (jovens, com diagnóstico recente de diabetes, sem outros fatores de risco) podem ter uma avaliação mais simples (eletrocardiograma de repouso).

Detecção de Acidentes Vasculares Cerebrais ou Obstrução das Artérias das Pernas
É fundamental a realização de exame clínico, onde o profissional detecta a redução da pulsação das artérias e sente a temperatura local. Os sintomas que são sugestivos para a ocorrência destes problemas são: dores nas pernas após atividade física (como caminhada), extremidades dos pés frias, etc.

Um tipo especial de ultra-sonografia chamada Doppler pode avaliar o leito arterial. O exame é indolor, e possibilita a visualização das artérias, além da detecção da presença de placas de ateroma em suas paredes. O que torna possível avaliar o grau de estreitamento do calibre vascular.

Exames:
Ultrasonografia, com doppler, Carótidas e vertebrais
Ultrasonografia, com doppler arterial dos Membros inferiores.
Fonte: Sociedade Brasileira de Diabetes

Link: http://www.diabetes.org.br/para-o-publico/tudo-sobre-diabetes/exames
http://www.clieme.com.br/

Confraternização GRUPO DE AMIGOS DO DIABÉTICO JOVEM DE CARUARU - GADJC - 04/12/2010

Aconteceu neste sábado (04/12/2010) a 3ª Confraternização do Grupo de Amigos do Diabético Jovem de Caruaru, da qual tive a honra de ser convidado. Realizado pelo casal Frank e Ione, contou com a participação de várias crianças DM, além dos familiares e amigos. E a presença dos endocrinologistas Dr. Alberto José e Dra. Eliabe e a psicóloga Dra. Tarciana. Na ocasião todas as crianças receberam presentes e alguns convidados foram sorteados com brindes. Palestras educativas também fizeram parte da festa.

Aqui algumas fotos do encontro:














segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Hemoglobina Glicada

os valores normais de referência são:
4,5 6,9% - Pessoas com metabolismo saudável ou diabetes controlada.
7,0 a 8,5% - Tratamento inadequado ou diabetes subclínica, com valor normal de glicose, mas com teste de tolerância alterado.
> 8,5% - Diabetes sem controle.

Bem, fiz esta semana exames de sangue, em breve precisarei fazer tratamento odontológico, no qual me dubmeterei a cirurgias. Os resultados na minha análise (que depois será submetida a análise médica) foram muito bons: Hemoglobina Glicada = 5,3%, como já é comum pela manhã em jejum minha glicemia estava em 41,00 mg/dl - não fiz pós-prandial, no Hemograma todos os resultados dentro dos valores de referência normais, outro importantíssimo pra quem vai se submeter a cirúrgia, o Coagulograma, resultado 8.600/mm3 (referência= 4.000 a 11.000).

Sou usuário de insulina NPH, e é muito comum ter hipoglicemias, durante todo o dia, mais comum pela manhã em jejum, diante disso não posso achar que meu controle está realmente satisfatório, só uma análise médica pra termos certeza, o que farei em breve.

Mas aconselho a todos diabéticos realizarem o exame de Hemoglobina Glicada, se possível a cada 3 meses.

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Saiba o que diabéticos podem comer e o que devem evitar

Não é fácil a vida dos diabéticos. Cheia de privações, sua dieta alimentar precisa ser leve, pobre em açúcares e rica em fibras.
Para quem sofre da doença, ficar longe de doces ultracalóricos é difícil, mas importantíssimo para controlar as taxas glicêmicas no organismo.
Mas o controle não termina aí, alerta Flávia Bulgarelli, mestre em nutrição pela Escola Paulista de Medicina e integrante da Casa Movimento.
Trocar alimentos que levam farinha branca por produtos à base de farinha integral é outra dica importante para os diabéticos. O mesmo vale para o arroz: o ideal é manter distância do tipo refinado.

- Eles devem ainda evitar sal e alimentos ricos em gorduras trans e saturada, pois elas elevam o colesterol, aumentando as complicações. Isso significa que frituras e carnes gordas não devem fazer parte do cardápio. O mesmo vale para sorvetes de massa, bolos prontos e biscoitos recheados.

Tirar o sal das receitas é difícil, mas não impossível. A saída é investir em temperos naturais, como alho, cebola, salsa, orégano, açafrão e outras especiarias.

Já as verduras, os legumes e os cereais, ricos em fibras, ajudam a minimizar o impacto de substâncias que, no corpo humano, acabam tendo um efeito nocivo, afirma Flávia.

- As fibras, principalmente do tipo solúvel, promovem a redução da absorção de glicose pelo sangue.

No time dos aliados dos diabéticos, estão ainda os peixes ricos em gorduras do tipo ômega (como o salmão, a sardinha, o atum, a cavalinha e o brasileiríssimo pintado).

Entre os óleos mais indicados, estão os de canola e de linhaça, que, segundo a nutricionista, “auxiliam na prevenção do desenvolvimento da resistência à insulina”. Além disso, beneficiam o funcionamento do sistema cardiovascular e do cérebro.

Manter uma rotina regular de exercícios físicos é outro passo fundamental para conviver com o diabetes sem drama, afirma Natalia Lautherbach, pós-graduanda em nutrição clínica e integrante da rede Mundo Verde.
-  O mesmo vale para o acompanhamento médico constante.

Alimentos ou remédios? 
Segundo Flávia, atualmente, a ciência tem encontrado em alimentos como a chicória, a banana [ainda verde] e a batata do tipo yacon [nativa da região andina] verdadeiros remédios no controle das taxas de açúcar sanguíneo.
– Uma das possíveis explicações [no caso da yacon] seria a quantidade de fruto-oligossacarídeos, conhecidos como FOS, que se transformam em uma espécie de gel ao serem ingeridos. Uma vez no intestino, essa substância é capaz de retardar a absorção de glicose.

Doce veneno 
Muita gente costuma achar que o mel está liberado. Trata-se de um engano. Faz tão mal quanto açúcar. Doce, só se for dietético, sempre feito com adoçante (aquele específico para preparo de receitas culinárias).
À mesa, é bom trocar o tipo de produto usado para adoçar principalmente sucos, cafés e outras bebidas a cada três meses.

Quando bater aquela vontade de comer doce, o ideal é optar por uma fruta. Em porções reduzidas, todas estão liberadas, já que são fontes de fibras. Mas, em excesso, podem aumentar a taxa glicêmica.

Grelhadas, assadas ou fervidas com canela, maçãs, bananas e peras se tornam sobremesas bastante saborosas.
Substitua o sorvete de massa por geladinho dietético.

Fonte: PortalDiabetes

Diabetes Descontrolado afeta cabelos

Cabelo não é só moldura para o rosto. Conforme seu estado, ele serve, também, para indicar a quantas anda a saúde de uma pessoa. Um exemplo é o que pode acontecer com quem está com seu diabetes mal controlado. Segundo o dermatologista João Carlos Lopes Simão, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP-USP), a glicemia alterada pode provocar queda de fios e alterações no couro cabeludo.
"O conjunto de alterações metabólicas que o diabético pode vivenciar quando está mal controlado influencia na concentração de fios sujeitos a queda", afirma o especialista.
Simão explica que o cabelo cresce durante dois anos, depois fica de quatro a seis meses em repouso para, em seguida, cair. A maioria dos fios está na fase de crescimento e apenas cerca de 10% na fase de queda. A alteração no metabolismo interfere nessa percentagem, aumentando a quantidade em queda.
"A situação pode ser revertida simplesmente atingindo bom controle", ensina Simão, acrescentando que o importante é que o paciente diabético adote alimentação equilibrada que garanta o aporte necessário de proteínas e vitaminas ao organismo, para permitir saúde também a seus cabelos.
"Para o organismo, cabelos e unhas são anexos e, por isso, quando falta algum nutriente, o corpo prioriza estruturas mais nobres, como o cérebro, e deixa de fornecer nutrientes para os cabelos e as unhas", explica o dermatologista.
Outro conselho do especialista é utilizar shampoo apropriado a cada tipo de cabelo e, de quebra, um bom condicionador com hidrolisado de proteínas, aminoácidos ou queratina, que auxiliam no controle da quebra de fios, condição que aparece em função de enfraquecimento ou da falta de cuidados apropriados após tratamentos químicos, como o da tintura e do alisamento, por exemplo.
Outros problemas comuns que atingem mais frequentemente o couro cabeludo dos diabéticos são a dermatite seborréica e a foliculite, pois o diabético está mais sujeito à proliferação de bactérias e fungos no couro cabeludo. Nesses casos, o indicado é usar shampoos antisseborréicos e antibacterianos. Em casos mais graves, é necessário o uso de medicamentos tópicos ou por via oral.

Fonte : Diabetes Nós Cuidamos

terça-feira, 16 de novembro de 2010

O Fantasma da hipoglicemia na vida dos diabéticos

De repente, quando menos se espera, durante o passeio no parque, as compras no supermercado ou a ginástica da academia  o mal estar aparece. Pode ser sutil como uma sensação de fome súbita, uma dor de cabeça leve, uma certa irritabilidade.  Mas pode nos surpreender pela agressividade dos sintomas como fadiga, tremores, tonturas, palpitações, sudorese intensa, visão embaçada ou dupla, dormência nos lábios, desorientação, mudança de comportamento, podendo chegar à convulsão e o coma. Estamos diante de um quadro de hipoglicemia com todas as suas possibilidades de complicações. Considera-se hipoglicemia os níveis de glicose abaixo de 70mg/dL.
A hipoglicemia pode ocorrer nas seguintes condições:
(1)        Atividade física além do normal
(2)        Redução do volume, atraso  ou falta de uma refeição
(3)        Vômitos ou diarréia
(4)        Consumo de bebidas alcoólicas
(5)        Uso de insulina ou medicamentos orais em doses maiores que as necessárias.
Para a maioria das crianças diabéticas e seus pais, a hipoglicemia noturna é a complicação aguda mais temida. As necessidades de insulina durante o sono não são constantes. Isso propicia quedas glicêmicas perigosas entre 2 e 4 horas da madrugada que podem passar despercebidas, devido ao próprio sono e à uma natural elevação da glicemia pela manhã.
O mais importante seria a prevenção de episódios hipoglicêmicos.  Quanto mais rigorosamente for tratado um paciente com diabetes, maior a probabilidade de ele vir a ter algum quadro de hipoglicemia. Pacientes com glicemias elevadas geralmente não têm esses episódios. Isso não deve ser levado em conta para se justificar uma glicemia basal elevada, pois sabemos que é possível deixar o paciente bem controlado e sem hipoglicemias. Essa será sempre a nossa meta.

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Dia Mundial do Diabetes - Exceto em Caruaru!

Caruaru, é centro comercial, maior cidade do interior pernambucano, tem vice governador (secretário de saúde) caruaruense, deputado federal caruaruense, vários deputados estaduais caruaruenses, mas pra esses políticos e esse governo municipal diabéticos e demais usuários do sistema de saúde pública não existem. Como pode uma cidade como a nossa, com 300 mil habitantes deixar passar uma data como essa, nesse último domingo (14/11) foi o Dia Mundial do Diabetes, e ações pelo mundo todo aconteceram, principalmente ações educativas e preventivas, menos em Caruaru, talvez esse município não faça parte do mundo mesmo. Calculamos que em Caruaru haja mais de 15.000 portadores de diabetes, muitos nem sabem disso, e lógico uma campanha de prevenção simples evitaria que muitos só fossem atendidos pelo sistema de saúde quando estão muito debilitados e necessitando muitas vezes de internação. As dificuldades no tratamento são enormes, muitas vezes faltando medicamento básico pro tratamento, como acontece corriqueiramente na farmácia da secretaria de saúde. Além disso, a dificuldade em marcar uma consulta médica é outro desastre, existe um 0800-81 2586, pra marcar consulta, mas “nossos atendentes estão todos ocupados” é a frase que você ouve sempre, independente do horário.
Tentei por quase 2 meses marcar uma reunião com a secretária de saúde do município, com o intuito de criarmos alguma campanha preventiva do diabetes, a ser realizada na semana do Dia Mundial do Diabetes, mas até hoje aguardo por essa reunião, segundo informações do gabinete da secretaria de saúde, a seretária não disponibilizou sua agenda pra isso, o que seria muito bom se a secretária estivesse, nesse período que não tem brexa na agenda pra uma reunião, trabalhando pela saúde, o que não acredito. Mas acredito que nos últimos meses ela encontrou uma brexinha pra fazer campanha política...

Queridos amigos, teria muito mais a falar, mas tenho que trabalhar, juntar um dinheirinho pra me consultar com algum médico particular, no momento tô precisando me consultar com Endocrinologista (mas é necessário marcar uma consulta –IMPOSSÍVEL - com um Clínico pra pegar um “encaminhamento”) e Cardiologista, além de tratamento Odontológico (esse sei que nunca vou conseguir, pois fui informado pela secretaria que só pode ser marcado pelo 0800TODOSOCUPADOS).



  • Atividades Pelo Dia Mundial do Diabetes em Recife

    No dia 19 de novembro, haverá campanha no Centro Municipal de Hipertensão, Oftalmologia e Diabetes Senador José Ermírio de Moraes (Av. 17 de Agosto, 388 - Casa Forte), em Recife (PE).O evento tem a coordenação do Dr. Sílvio Paffer. Confira a programação.

    • 7h - Atividades com o grupo do Projeto Bom Dia - Academia da Cidade - Caminhada, Alongamento e Café da Manhã Saudável
    • 8h - Palestra "Diabetes X Coração: Da Educação Para a Prevenção" - Palestrante: Dr. Sílvio Paffer
    Atividades em Petrolina

  • No dia 18 de novembro, a ESF Ponta da Serra, localizada na zona rural do município de Petrolina (PE) promove um evento sobre o Dia Mundial do Diabetes para toda a comunidade. Haverá serviços como cálculo de IMC, testes de glicemia capilar, testes de colesterol, orientações com profissionais de nutrição, cardiologista, educador físico.

    Campanha em Vitória de Santo Antão
    De 8 a 12 de novembro, a  Companhia Alcoolquímica Nacional irá desenvolver várias atividades pelo Dia Mundial do Diabetes, como teste de glicemia, palestras e orientação alimentar, ginástica laboral, orientação psicológica, assistência social, terapia ocupacional, aferição de pressão arterial e IMC.
    As atividades serão coordenadas pelo departamento de Recursos Humanos e supervisionada pelo setor de Medicina do Trabalho da companhia. O evento acontece na sede da empresa  (PE 45, km 14, Engenho Cachoeirinha, S/N, Zona Rural, Vitória de Santo Antão - PE).


  • APDJ Promove Atividades em Recife



  • No dia 21 de novembro, das 8 às 12h, a Associação Pernambucana do Diabético Jovem - APDJ promoverá atividades pelo Dia Mundial do Diabetes, no Campo de Saúde e Cidadania, no Quartel do Comando da Polícia Militar no Derby, em Recife (PE). Veja a programação:
    • 2º Passeio Ciclístico (Saída do Yázigi Casa Forte)
    • Aferição da taxa de glicose
    • Aferição de pressão
    • Cuidado com os pés
    • Saúde bucal
    • IMC e avaliação nutricional
    • Mova-se (exercícios, danças, jogos e brincadeiras)
    • Partida de futsal entre a Faculdades Maurício de Nassau e Boa Viagem
    • Círculos azuis humanos
    Coordenação : APDJ / Edna Pimentel / Dra. Elcy Falcão
    Parceiros: Yázigi / Polícia Militar de Pernambuco / IBRAD / Secretaria do Governo do Estado de Pernambuco / Secretaria de Saúde do Recife / SESC / Laboratórios Roche, Abbott, Bayer, Sanofi Aventis, BD, Lilly / Faculdade Maurício de Nassau / Faculdade Boa Viagem

    sexta-feira, 12 de novembro de 2010

    Ômega 3 pode ser caminho contra inflamações

    Entrevista com a nutricionista Daniéla Oliveira Magro, da Unicamp

    Já não bastasse toda sua fama de amigo da saúde, o ômega 3 tem grandes chances de conquistar ainda mais a simpatia dos portadores de diabetes. Isso porque os processos inflamatórios são sempre uma dor de cabeça por interferirem na glicemia e porque recentes pesquisas têm demonstrado que essa gordura, comumente encontrada em peixes, inibe as inflamações.
    Atualmente, o combate aos focos infecciosos é feito com medicamentos. A novidade, agora, é que há chances de ser feito também com o uso de suplementos alimentares à base de ômega 3.
    A nutricionista Daniéla Oliveira Magro, do Departamento de Clínica Médica da Disciplina de Moléstias Infecciosas da Unicamp, conta que o ômega 3 já é bastante indicado na redução do risco de câncer de próstata, mama e colorretal. "O ômega 3, entre outras coisas, inibe a formação de eicosanóides pró-inflamatórios, originando mediadores lipídicos com potente ação anti-inflamatória", explica a especialista.
    O suplemento é empregado também para quem tem triglicérides em níveis altos e diminui sintomas em doenças crônicas inflamatórias. Além disso, no diabetes, o uso de ômega 3 pode melhorar a sensibilidade periférica à insulina. Mas Daniéla adverte que a dosagem deve ser estabelecida por médico ou nutricionista
    Os estudos científicos ainda não estabeleceram as dosagens adequadas de ômega 3 no combate a processos inflamatórios. As pesquisas continuam promissoras e, recentemente, uma equipe da San Diego School of Medicine, nos Estados Unidos, comprovou sua ação na inibição da resposta inflamatória, alimentando a expectativa de que a substância em breve possa ser utilizada com esse objetivo por obesos e diabéticos.

    terça-feira, 9 de novembro de 2010

    Diabetes tipo 1 se manifesta ainda na infância, mas se for bem controlado não impede que o jovem alcance seus objetivos

    Nesta quarta-feira, a banda americana Jonas Brothers vai a Porto Alegre para realizar um show de sua atual turnê. Quem vê o desempenho do grupo, sem acompanhar de perto o farto noticiário sobre os três irmãos, desconhece que um deles, Nick Jonas, possui diabetes tipo 1. Ele foi diagnosticado quando tinha 13 anos, atualmente ele tem 18. Apesar disso, a doença nunca foi um fator limitante para o desempenho do rapaz nos palcos, pelo contrário.

    Adepto de hábitos saudáveis, Nick mostra a toda uma geração de crianças e adolescentes que também enfrentam o problema que é possível ter uma vida normal, apesar do diagnóstico.

    O coordenador da Clínica de Endocrinologia e Metabologia do Hospital Universitário São José, de Belo Horizonte, em Minas Gerais, Levimar Rocha Araújo, explica que o diabetes tipo 1 se manifesta ainda na infância, mas se for bem controlado não impede que o jovem alcance seus objetivos. De modo geral, os casos de diabetes têm crescido 3% ao ano entre crianças e adolescentes. Atualmente, a doença atinge 250 milhões de pessoas no mundo.

    Leia o Artigo Completo em: PortalDiabetes

    sexta-feira, 5 de novembro de 2010

    11 coisas que você ainda não sabe sobre o diabetes

    O diabete se aproveita da desinformação para se alastrar. Mas SAÚDE! quebra o silêncio e revela as estratégias para não deixá-la tomar conta da sua vida

    por THEO RUPRECHT

    O canadense Frederick Banting (1891–1941), vencedor do Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina de 1923 por ser um dos descobridores da insulina, nasceu em um 14 de novembro. Seu trabalho foi tão importante para quem sofre com altas doses de açúcar no sangue que hoje a data é reservada para o Dia Mundial do Diabete. Nela, lançam-se campanhas para informar a população sobre essa ameaça à saúde. No entanto, a julgar pelos dados recentes, muitos outros dias deveriam ser marcados no calendário para discutir o transtorno.

    Ao redor do globo, 285 milhões de pessoas são diabéticas, sendo que 12 milhões delas estão no nosso país — 15% dos brasileiros padecem do problema. “E o pior é que apenas metade dessa gente sabe disso”, ressalta Carlos Eduardo Barra Couri, endocrinologista da Universidade de São Paulo, a USP, em Ribeirão Preto. Um dos motivos para esse desconhecimento tem a ver com o fato de o distúrbio geralmente ser silencioso. Ou seja, na maioria dos casos, seus estragos só serão sentidos muitos anos depois de a doença ter se instalado.

    Mas, verdade seja dita, há carência de informações para o público. Foi por esse motivo que SAÚDE! resolveu recorrer a um time de especialistas para explicar o que há de mais importante e novo sobre o tema. Muita gente nem desconfia que pequenas mudanças no dia a dia fazem uma grande diferença quando o assunto é diabete. “Pesquisas indicam que pessoas sob risco de ter esse distúrbio diminuem em cerca de 60% a probabilidade de desenvolvê-lo ao modificarem seus hábitos”, relata o endocrinologista Jairo Hidal, vice-presidente do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

    1. O diabete tipo 2 não tem só a ver com maus hábitos
    A doença se manifesta de duas formas. O chamado tipo 1 está relacionado à incapacidade do pâncreas de produzir um hormônio, a insulina, que tem a missão de botar a glicose para dentro das células. Essa deficiência costuma ser causada pelas próprias defesas do organismo. Já no diabético do tipo 2 — que representa 90% dos casos —, as membranas celulares resistem à entrada do açúcar, exigindo uma maior produção de insulina. Aí o pâncreas se sobrecarrega e, após um tempo, entra em colapso. Esse quadro é provocado na maioria das vezes pela dupla obesidade e sedentarismo, que tem tudo a ver com maus hábitos. Daí a pergunta: será que o tipo 2 tem um fator genético menos preponderante? Nada disso. “Cerca de 50% dos pacientes com a segunda modalidade do mal têm um histórico familiar marcante. Essa incidência diminui para 30% no tipo 1”, diz Couri. Ou seja, a tendência genética pesa até mais no tipo 2.
    2. Ele causa cegueira, amputações… Já é sabido que a doença está por trás de perda de visão ou amputações não traumáticas — isto é, as que não ocorrem em razão de um acidente. Mas aqui vem a novidade: ela é a principal causa desses infortúnios no mundo. Nos olhos, o excesso de glicose prejudica a passagem de sangue pelos capilares da retina. Com isso, a região fica desnutrida. Os membros, principalmente os inferiores, também são afetados pela falta de irrigação. Também acabam sendo acometidos por uma perda de sensibilidade. Assim, um pequeno ferimento que passa despercebido pode tomar grandes proporções. “Os dois problemas, no entanto, só acontecem quando o mal está completamente fora de controle”, ressalta Hidal.

    3. ...e enfraquece os ossos
    Os diabéticos têm uma ligeira tendência a ficar com o esqueleto frágil. “Quando há descontrole na doença, observamos uma diminuição da chegada de cálcio aos ossos”, relata o endocrinologista Sérgio Dib, diretor do Centro de Diabete da Universidade Federal de São Paulo. Os médicos não sabem bem o porquê, mas acredita-se que a deficiência de insulina esteja envolvida nesse fenômeno. Afinal, esse hormônio participa da construção de vários tecidos do corpo, como os músculos e, claro, a ossatura.

    4. Põe em risco a gravidez e os recém-nascidos
    Todas as gestantes precisam estar atentas a esse item, incluindo as não diabéticas. Isso porque, nessa etapa da vida, há uma tendência natural para que as taxas de açúcar no sangue subam. Quando o aumento é significativo, ocorre o diabete gestacional, um transtorno que eleva a probabilidade de um parto prematuro. “Como recebe um grande aporte de glicose através do cordão umbilical, o feto passa a produzir insulina demais”, aponta César Pereira Lima, obstetra da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre. E daí? Daí que, assim que nasce, o bebê, geralmente maior do que a média, continua cheio de insulina. Resultado: hipoglicemia, ou seja, os níveis de açúcar no sangue despencam. “O jeito é controlar de perto a gravidez, aplicando a versão sintética do hormônio sempre que necessário. Já o bebê será avaliado e tratado para normalizar a atividade do pâncreas”, indica Lima.

    5. O tipo 2 é cada vez mais comum na moçada
    Muitos acham que o tipo 2 está restrito aos mais maduros — tanto assim que já foi chamado de senil — e que só o tipo 1 daria as caras desde a infância. Isso não é verdade. Devido à má alimentação e ao sedentarismo, o tipo 2 também vem sendo flagrado em crianças. “Já diagnostiquei o problema em pacientes com 10 anos”, exemplifica, preocupado, Carlos Eduardo Barra Couri. É por essas e por outras que os médicos suplicam aos pais para estimular seus filhos a praticar exercícios físicos e a comer de maneira equilibrada. Essa combinação de atitudes saudáveis ajuda a evitar a obesidade, um dos principais desencadeadores do mal na infância.
    6. Está ligado a doenças neurodegenerativas
    “O diabete é considerado um grande fator de risco para demências em geral”, arremata, logo de cara, Sonia Brucki, neurologista da Academia Brasileira de Neurologia, em São Paulo. Essa encrenca, quando descontrolada, compromete os vasos que irrigam o cérebro. Isso deixa os neurônios sem combustível para operar normalmente. E, como um carro, eles eventualmente param de trabalhar. Em outras palavras, a massa cinzenta perde, aos poucos, sua capacidade de armazenar e transmitir informações. Pensa que é pouco? Pois saiba que essa doença também financia derrames, que podem culminar em perdas motoras e cognitivas. Na reportagem da página 70, você verá como atenuar essas consequências por meio da prática esportiva.

    7. A gordura também é culpada
    Fato: quem não conhece a fundo o tema desta reportagem vê o açúcar como único vilão da história. Mas a gordura também está no banco dos réus, sobretudo no caso do diabete tipo 2. “Ela deve ser ingerida sem exageros”, adverte a nutricionista Gisele Goveia, da Sociedade Brasileira de Diabetes. É que o excedente gorduroso vai parar no abdômen. Surge, aos poucos, a famosa barriga de chope, que, além de ser um atentado contra a estética, passa a produzir substâncias perigosas para quem se tornou ou corre o risco de se tornar refém desse estorvo. “Essas moléculas agem nos receptores das células, dificultando a ação da insulina”, esclarece Sérgio Dib.

    8. Não é motivo para proibições radicais à mesa
    Preste atenção no que a nutricionista Gisele Goveia diz: “A lista do permitido e do proibido não existe”. As frutas, por exemplo, possuem um tipo de açúcar chamado frutose. Mesmo assim, não devem ser banidas do cardápio. Pelo contrário. Como qualquer outro indivíduo, o diabético deve manter uma alimentação balanceada, com opções variadas no prato. “Se ele respeitar o limite de ingestão de carboidratos, que deve ser estabelecido por um profissional, pode se dar ao luxo de comer até um doce de vez em quando”, informa Gisele.

    9. Também se manifesta em quem é magro
    Não pense que vamos falar dos que têm diabete do tipo 1. Afinal, é bastante conhecido que essa variação do problema não surge por causa dos quilos extras. Diferentemente dela, no tipo 2 a obesidade é um componente central. Mas mesmo o pessoal com a barriga sequinha ainda deve ficar esperto. “Já vi muita gente que come mal e não engorda. A alimentação desbalanceada é, por si só, um risco”, analisa Couri. Outra coisa a levar em consideração são os esportes. Pessoas magras podem desenvolver o distúrbio só por serem sedentárias.

    10. É potencializado quando se dorme mal
    Na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre, uma pesquisa quentíssima mostra, em ratos, que a apneia contribui para catapultar as taxas de açúcar. “Reduzimos o nível de oxigênio dos animais durante o sono, assim como acontece com os seres humanos que roncam”, explica o pneumologista Denis Martinez, orientador do estudo e coordenador do Laboratório Interdisciplinar de Pesquisa em Sono da UFRGS. “Depois de 21 dias, eles estavam com a glicemia bem alta”, revela. A relação entre diabete e sono, no entanto, vai além. Dormir pouco já representa um perigo. Isso porque o corpo vai precisar de energia adicional para enfrentar a jornada. Assim, quem não repousa direito à noite acaba apelando para bombas calóricas cheias de açúcar e gorduras ao longo do dia. “Fora que, quando dormimos mal, o organismo produz mais cortisol, o hormônio do estresse, para nos mantermos acordados. E isso agrava o diabete”, conclui Martinez.

    11. Muito além da glicemia
    É vital manter os níveis de açúcar sob rédeas curtas. Os médicos pedem, pelo menos a cada três meses, exames para ver suas taxas. “Medimos o índice em jejum e duas horas após a ingestão de um copo com 75 gramas de glicose”, conta Couri. “E fazemos o teste de hemoglobina glicada, que nos acusa se o paciente controlou direito a doença por meio da análise dos glóbulos vermelhos.” Mas, como o diabete está ligado a turbulências no coração — 80% das suas vítimas morrem de problemas cardiovasculares —, ele deve ser acompanhado. O LDL, a versão ruim do colesterol, que fomenta os entupimentos arteriais, precisa estar abaixo dos 70 mg/dL. A pressão e os triglicérides também têm que se manter dentro dos conformes.
    INSULINA PARA O ALZHEIMER?
    Um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro sugere que a reposição desse hormônio, fundamental para muitos diabéticos, ajuda quem luta contra esse blecaute cerebral. Ao menos em cobaias, os remédios potencializadores da insulina combateram a substância beta-amiloide, uma das responsáveis pelo assassinato de neurônios. “Fora isso, quando há insulina no cérebro, a glicose entra mais fácil nas células, melhorando a atividade neuronal”, acrescenta Sonia.

    FALSO MAGRO

    Tem gente que está dentro do limite de peso mas exibe uma barriga proeminente. E, diversamente do que esses indivíduos podem imaginar, isso já é motivo para fi car de olho nos índices de glicose no sangue. Essa gordura de sobra armazenada no ventre arrasa os receptores de açúcar das células. Hoje, magro saudável é quem possui a circunferência abdominal dentro dos limites — menos de 90 centímetros para homens e 80 para mulheres.

    DIAGNÓSTICO PRECOCE
    Essa é a melhor maneira de combater o diabete. E, para isso, basta ficar atento aos tópicos desta lista: sedentarismo, hipertensão, taxas de colesterol ou triglicérides altas, ovário policístico, obesidade, histórico familiar. Se você se encaixa em algum deles, está mais propenso a essa baita chateação. Por isso, é imprescindível consultar um médico para receber as orientações adequadas. Outro ponto que merece atenção é a idade. A Associação Americana de Diabetes recomenda a indivíduos acima de 45 anos que, mesmo sem apresentar nenhum dos fatores descritos acima, façam exames para medir a glicose pelo menos a cada três anos.

    Estratégias para conviver com o diabete sem drama


    ACEITE A DOENÇA


    Esse é o primeiro passo para seguir as recomendações dos especialistas e viver na normalidade. “O diabético precisa identificar seus projetos de longo prazo. Se ele controlar o distúrbio, poderá realizá-los numa boa”, sugere Eleonora Ferreira, psicóloga da Universidade Federal do Pará, em Belém.

    INFORME-SE

    Quando recebe o diagnóstico da doença, a pessoa geralmente se desespera. Fica com medo, entre outras coisas, de nunca mais poder saborear seus pratos favoritos. “Para evitar isso, só buscando informação de qualidade sobre o diabete”, diz Eleonora. Ou seja, fale com seu médico e até pesquise na literatura científica para desmitificar temores infundados.

    ALIMENTE-SE BEM

    Desde que se respeite o limite de carboidratos prescrito por uma nutricionista, não há segredos. “Basta controlar a porção dos alimentos”, diz Gisele Goveia. Outra coisa: aposte em vegetais e comidas ricas em fibras, que retardam a absorção de açúcar. Com isso, ele cai devagarinho na circulação, facilitando o trabalho da insulina.

    EXERCITE-SE REGULARMENTE

    “Pratique atividade física aeróbica por cerca de 45 minutos, de três a quatro vezes por semana”, prescreve Sérgio Dib. Os exercícios diminuem a resistência à insulina.

    MONITORE O ÍNDICE DE GLICOSE

    Há um aparelho que mede esses níveis em qualquer lugar — em casa, no trabalho ou na escola. Ele custa cerca de 150 reais e ajuda, e muito, a controlar a glicemia.

    NUNCA DEIXE DE TOMAR OS MEDICAMENTOS

    Quem verifica a necessidade de algum remédio é o médico. Portanto, só ele pode mudar as dosagens ou suspendê-las. Também respeite os horários certos para tomá-los. Assim, o diabete fi ca quieto, sem incomodá-lo.

    CONTROLE O COLESTEROL

    “Consigo prevenir com maior eficácia um infarto em diabéticos reduzindo os níveis de LDL do que ao diminuir a glicose no sangue”, garante Jairo Hidal. Para alcançar esse feito, os médicos receitam estatinas, drogas capazes de baixar as taxas dessa gordura maléfica.

    Uma questão de estética

    Como já dissemos, o diabete tipo 1 compromete o pâncreas a ponto de esse órgão deixar de funcionar corretamente. Nessa situação, a saída é se valer de injeções de insulina, porque só assim não haverá excesso de glicose rondando as veias e as artérias. Mas esse hormônio também desempenha um papel na estocagem de gordura no corpo. Apavorados diante da perspectiva de engordarem, alguns diabéticos cientes desse fato deixam de tomá-lo. Mas o endocrinologista Carlos Eduardo Barra Couri, da USP de Ribeirão Preto, coloca os pingos nos seus devidos is: “O problema, aí, está principalmente na má alimentação e no sedentarismo. Não na insulina em si”.
    Fonte :  Revista Saúde - http://saude.abril.com.br/edicoes/0329/medicina/11-coisas-voce-ainda-nao-sabe-diabete-605372.shtml?pag=1  - PortalDiabetes

    terça-feira, 2 de novembro de 2010

    Grãos integrais: a tendência é incluí-los em todas as refeições do dia

    Que alimentação e qualidade de vida andam juntas, ninguém dúvida. Mas há pontos que podem fazer muita diferença na hora de se escolher um alimento. Um deles é a ingestão de grãos integrais. Por não passar por nenhum tipo de refinamento, eles preservam nutrientes importantes como fibras, vitaminas e minerais.
    O consumo dos grãos integrais é uma maneira simples de aumentar a ingestão de vitaminas e minerais que desempenham importantes funções no organismo, como vitaminas do complexo B, vitamina E, zinco, magnésio, cromo e selênio.
    O grão integral é composto por três camadas: o farelo (casca) – normalmente perdido no processo de refinação; o endosperma, que corresponde a 80% do grão integral e está presente na maioria dos pães (fonte de carboidratos, proteína e vitaminas do complexo B); e o gérmen, camada interna altamente nutritiva, rica em minerais, vitaminas do complexo B, ácidos graxos e antioxidantes. Com a retirada da casca e do gérmen, perde-se cerca de 25% da proteína do grão junto com importantes nutrientes.
    Pesquisas científicas mostram que o consumo desse tipo de grão, como parte de uma dieta balanceada, além de contribuir com um peso adequado e bom funcionamento do intestino, pode ajudar a reduzir os riscos de doenças como diabetes tipo 2, por exemplo.
    O consumo diário de cereais integrais além de previnir o câncer e o diabetes, faz com que as células de gordura localizadas no abdômen murchem reduzindo a circunferência da barriga. E a questão vai além da estética. A gordura abdominal deve ser eliminada porque aumenta o risco para desenvolver doenças cardiovasculares.
    Aveia, milho, trigo, arroz, centeio e cevada esse é um grupo de cascas-grossas. Por serem duros na quebra, seus invólucros protegem nutrientes e outras substâncias cada vez mais valorizadas pelos estudiosos da dieta como ferramenta de prevenção. Por isso, a tendência é incluí-los em todas as refeições do dia.
    Mas cuidado. É fundamental que esses cereais integrais sejam ingeridos acompanhados de bons goles de água ou de outras bebidas. Sem líquidos, as fibras dificultam o trânsito intestinal.

    Fonte: Susana Lago - PortalDiabetes

    sexta-feira, 29 de outubro de 2010

    Nutrição & Diabetes: Consumo de Frutas x Diabete

    As frutas são fontes de carboidratos simples (frutose), energia, água, fibras, sais minerais, vitaminas e até gordura (nutrientes essenciais para a manutenção da saúde).
    As pessoas com diabetes devem consumi-las de acordo com as necessidades individuais.
    A recomendação é semelhante à população em geral, ou seja, variar os tipos e evitar o consumo excessivo. As frutas de alto índice glicêmico devem ser consumidas como sobremesa, ou seja, nunca como componente único da refeição. Dentre elas: melancia, abacaxi, uva, banana, manga, laranja.
    O número exato de porções que cada indivíduo deve consumir depende de uma série de fatores como idade, atividade física, necessidades nutricionais, controle glicêmico, etc.
    A média de consumo varia de 3 a 5 porções/dia, sendo considerado uma porção: 1 banana pequena, 1 maça média, 1 pêra média, 1 fatia de mamão, 1 fatia de melão, 10 gomos de uva, 10 unidades de morango.
    Vale lembrar que a resposta glicêmica é diferente quando se consome um suco natural, pois em pequeno volume de suco tem-se uma concentração maior de frutas, podendo até ultrapassar o recomendado para um dia.
    É importante lembrar que toda alimentação deve ser individualizada respeitando o estágio de vida, estado nutricional, doenças associadas e tratamento medicamentoso.
    Dicas:
    1 - prefira frutas da estação, pois são de melhor qualidade e preço;
    2 - sempre que possível, consuma as frutas com casca, pois desta maneira o teor de fibras é maior e a resposta glicêmica é melhor, ou seja, a elevação da glicose sanguínea é mais lenta.
    3 - higienize as frutas que serão consumidas com casca;
    4 - varie os tipos de frutas.
    5 - não se apegue as crendices. Não existe fruta proibida e sim quantidade definida.
    6 - prefira frutas inteiras (1 porção) ao invés de suco, pois pequenos volumes de suco concentram várias porções de frutas;
    7 - consuma ao menos uma fruta cítrica ao dia para o aporte de vitamina C;
    Consulte “sempre” um nutricionista

    Fonte: PortalDiabetes
    Débora Pracanica
    Nutricionista Especialista em Nutrição Clinica, Orientadora em Diabetes.

    terça-feira, 26 de outubro de 2010

    Insulina, como tudo começou…

    Hoje diabéticos usam canetas de insulina, bomba de infusão de insulina, e quem sabe passarão a utilizar insulina inalável! Mas nem sempre foi assim. Antes da insulina injetável, pacientes com diabetes tinham que evitar qualquer tipo de carboídrato e amido. A dieta era baseada em salada e ovo. Eram ingeridas somente as calorias necessárias para sobreviver. Os pacientes diabéticos ficavam esqueléticos até que o excesso de glicose desaparecesse do sangue e da urina.
    Em 1921, o Dr. Frederick Banting, médico canadense, e seu assistente, fizeram testes em cachorros diabéticos durante todo verão. Na 92ª tentativa, tiveram sucesso! A injeção de insulina funcionou na collie amarela.
    Mães começaram a escrever pro Dr. Banting querendo saber mais a respeito da descoberta! Antoinette, mãe de Elizabeth, uma garotinha diabética, queria poder usar o novo remédio descoberto, enviou cartas para o Dr. Banting, mas o médico negou a possibiliade de fazerem os testes alegando que eles tiveram muitos problemas em fazer insulina suficiente. Não daria para mais de um punhado de pacientes.
    Depois de algumas semanas, talvez por intervenções jurídicas, o Dr. Banting mudou de idéia. Elizabeth viajou até toronto para conseguir as injeções. Para ela foi o fim a dietoterapia, mas outras crianças ainda esperaram muito até que os canadenses resolvessem como iam distribuir as poucas injeções de insulina que tinham.
    A farmacêutica Eli J Lilly, ganhou o direito de produzir a insulina em massa. Foi a primeira parceria entre acadêmicos, médicos individuais e a indústria farmacêutica. O mais complicado não era o descobrimento da insulina e sim o alto custo e a dificuldade logística de manter e transportar o medicamento. Mas não demorou muito até que carregamentos de gado e de pâncreas de porco chegassem à fábrica da Lilly. Em 1932 o preço da insulina já havia caído 90%.
    Enquanto isso, pela primeira vez, os médicos tinham que dividir a responsabilidade do tratamento com os pacientes. O diabetes foi a primeira doença que fez os médicos darem alguma autonomia aos pacientes. Os pacientes provavam sua própria urina para checar a quantidade de glicose e poder calcular as doses de insulina. Elizabeth durante seu tratamento em Toronto aprendeu a aplicar insulina sozinha, nesse momento escreveu para a mãe “Agora me sinto completamente independente!”.
    Elizabeth Hughes, a primeira criança a tomar insulina, morreu em 1981, aos 74 anos. Ela destruiu todo material que poderia falar sobre o seu tratamento.
    Nos EUA, foi aberta uma exposição no New York Historical Society, com imagens dramáticas que contam essa história que relatamos acima. Trata-se de uma exposição vívida e cheia de dramas que durará até janeiro de 2011. É o milagre da descoberta da insulina. Elizabeth é o centro da história contada na exposição, com diálogos e cenas criadas pelos escritores e historiadores.
    Fonte: New York Times

    segunda-feira, 18 de outubro de 2010

    Diabetes & Infecções

    Se o Diabetes não for devidamente controlado, há uma diminuição da habilidade dos glóbulos brancos de lutarem contra a infecção. Como resultado, pessoas com diabetes podem ter infecções mais facilmente.

    Diabéticos tem grande risco de pegar os seguintes tipos de infecção: infecção de bexiga ou rim, doença da gengiva, e outras infecções bucais, infecções por fungo, infecções da vagina, infecções em ferimento e infecções do pé. Mesmo um pequeno corte no pé, por exemplo, pode não ser curado totalmente e desenvolver-se como um problema em potencial de ameaça à vida.

    Como as infecções são tratadas?
    Primeiramente seu diabetes deve ser controlado. Então seu médico prescreverá antibióticos específicos para a infecção. É provável que a pessoa com diabetes leve mais tempo para obter a cura de uma infecção. Seu médico pode querer exames de sangue e visitas de acompanhamento freqüentes.

    Que cuidados devem ser tomados?
    - Esteja ciente de seu maior risco de infecções e as sérias complicações das infecções que não são tratadas.
    - Verifique a presença de feridas em sua boca e lábios. Manchas brancas em sua língua pode ser uma infecção por fungos que pode espalhar-se internamente para outras partes do corpo se não for tratado.
    - Relate a seu médico qualquer secreção da vagina ou pênis, mudança de cor no odor de sua urina e queimação ou dor ao urinar.
    - Veja seu médico assim que suspeitar de algo que esteja errado (por exemplo, febre) ou um ferimento pequeno que não cicatriza, formigamento, entorpecimento, ou mudança de cor ou sensação na ponta dos dedos das mãos e dos pés.

    Como evitar estas infecções?

    -
    Nunca andar descalço. Mesmo os pequenos cortes podem infectar-se gravemente.
    - Examine seu pé no final de cada dia para certificar-se de que não há áreas avermelhadas, cortes, ou arranhões que poderão infectar-se. Pode haver cortes ou ferimentos que não consiga sentir por causa do dano do nervo.
    - Após o banho, seque cuidadosamente a região entre os dedos para prevenir rachaduras. Use loção para hidratar a pele para evitar infecções bacterianas no local onde a pele seca favorece o aparecimento de rachaduras.
    - Não tente tratar os calos por conta própria especialmente com lâmina de barbear ou produtos químicos.

    Fonte: PortalDiabetes

    sexta-feira, 15 de outubro de 2010

    A pessoa que tem diabetes pode comer macarrão (massas em geral) ou pão fresco?

    SIM! Estes alimentos têm composição semelhante ao arroz e podem ser consumidos, desde que em quantidades não excessivas e em refeições mistas, complementados com alimentos ricos em proteínas (como as carnes magras, peixes e aves, as leguminosas, como soja, feijão, lentilha, grão de bico, ou os ovos) e ricos em fibras (como as hortaliças cruas e cozidas). Sempre que possível, deve-se dar preferência às massas e pães integrais, assim como ao arroz integral (os cereais integrais e seus derivados contêm fibras que dentre outros efeitos benéficos retardam a passagem da glicose derivada da digestão do amido para o sangue. Massas, pães integrais e arroz integral podem ser substituídos por outros cereais integrais, como aveia ou milho por raízes como cará, mandioca, batata ou inhame).
    Fonte: Portal Diabetes

    Estudo revela que diabéticos brasileiros necessitam de melhor tratamento

    Um estudo recente avaliou o estágio atual do controle do diabete em 6.000 pacientes brasileiros, atendidos em serviços médicos públicos e privados de saúde.
    Os resultados do estudo são alarmantes: apenas 10,4% dos pacientes com diabete melito do tipo 1 e 26,8% dos pacientes com diabete do tipo 2 apresentaram um controle adequado da glicemia (níveis de açúcar no sangue), de acordo com a dosagem da hemoglobina glicosilada (HBA1c), exame que avalia o controle médio da doença nos últimos 3 meses. Os resultados deste estudo reforçam a importância da atualização contínua e da participação dos clínicos não endocrinologistas nas estratégias de atenção ao portador de diabete melito. No Brasil temos mais de 8 milhões de diabéticos e cerca da metade destes indivíduos desconhece a sua doença. O número de endocrinologistas em nosso país é de apenas 1.500 profissionais.
    O diabetes é a quarta principal causa de morte no Brasil. O risco de morte em diabéticos é duas vezes maior que em não diabéticos. Cerca de 60% dos diabéticos morrem de doenças cardiovasculares, ao passo que, na população em geral, esse percentual cai quase pela metade. Para que estas estatísticas sejam melhoradas, o controle efetivo do diabete melito passa a ser de fundamental importância.
    Fonte: American Diabetes Association
    Farmácia Doce Vida - http://www.farmaciadiabetes.com.br/

    terça-feira, 12 de outubro de 2010

    DOAÇÕES...

    Em comunidades do Orkut é comum doações, participo de algumas comunidades relacionadas a Diabetes, e nos últimos dias recebi confirmação de algumas doações, de materiais como seringas, agulhas pra caneta, tiras reagentes, etc. Porém para concretizar estas doações, se faz necessário o pagamento do PAC - Correios, os valores são baixos, por exemplo, uma pessoa enviará de Belo Horizonte algumas seringas, o custo do PAC é de R$ 15,00. Outras doações vem de SP, RJ, MG, CE. Pra receber essas doações é necessário realizar o depósito do valor correspondente ao custo do Correios na conta da pessoa que está doando, e sozinho eu não posso realizar. Portanto venho aqui pedir a colaboração daqueles que quiserem nos ajudar. Aqueles que puderem ajudar, favor me contactar por telefone: 9148-2380/3724-6899 Claudivan.

    domingo, 10 de outubro de 2010

    Plantas Medicinais X Diabetes

    Carqueja, pata de vaca, alcachofra e cebola: estas são as plantas consideradas 'milagrosas' no combate e na cura do diabetes, preferidas da população.
    É claro que algumas plantas, assim como alimentos naturais, possuem substâncias que atuam como coadjuvantes no tratamento de várias enfermidades. Entretanto, ainda que algumas delas já tenham sido analisadas por pesquisadores, nenhuma até agora apresentou resultados satisfatórios no combate às altas taxas de açúcar no sangue.
    Na verdade, muitos médicos que cuidam de diabetes torcem para que seja descoberta alguma substância que indicasse um novo tratamento para o distúrbio metabólico

    Fonte: Portal Diabetes

    quinta-feira, 7 de outubro de 2010

    Alho para o coração

    O alho tem um potencial "significativo" para a prevenção da cardiomiopatia, uma forma de doença cardíaca que é a principal causa de morte em pessoas com diabetes.
    O estudo, publicado no Journal of Agricultural and Food Chemistry, também explica por que as pessoas com diabetes têm um risco mais elevado para a cardiomiopatia.
    Wei-Wen Kuo e seus colegas afirmam que as pessoas com diabetes têm pelo menos duas vezes o risco de morrer por doenças do coração do que a população em geral, com as doenças cardíacas respondendo por 80 por cento de todas as mortes relacionadas ao diabetes.

    Cardiomiopatia diabética
    Os diabéticos são especialmente vulneráveis a uma forma de doença cardíaca chamada cardiomiopatia diabética, que inflama e enfraquece os tecidos do músculo do coração.
    O grupo de Kuo usou resultados de estudos anteriores que mostraram que o alho pode proteger contra doenças cardíacas em geral e também ajuda a controlar os níveis anormalmente elevados de açúcar no sangue, que ocorrem no diabetes.
    Mas os cientistas perceberam que poucos estudos analisaram especificamente os efeitos do alho na cardiomiopatia diabética.

    Benefícios do óleo de alho
    Para o estudo, animais de laboratório foram alimentados com óleo de alho ou com óleo de milho.
    Os animais que receberam óleo de alho apresentaram mudanças fisiológicas benéficas associadas à proteção contra os danos cardíacos.
    Segundo os cientistas, as alterações parecem estar associadas com as propriedades antioxidantes do óleo de alho, afirma os cientistas.
    O grupo identificou mais de 20 substâncias presentes no óleo de alho que podem contribuir para o efeito.
    "Em conclusão, o óleo de alho possui um potencial significativo para proteger o coração da cardiomiopatia induzida pela diabetes", conclui o artigo científico.

    Fonte: PortalDiabetes

    quarta-feira, 6 de outubro de 2010

    Diabetes & Colesterol

    O nível de LDL (colesterol ruim) ideal já foi 130 mg/dL, caiu para 100 mg/dL e agora já se discute 70 mg/dL. Esse valor foi sendo alterado considerando que a agressividade do colesterol é muito grande e é ainda maior nos diabéticos. Os níveis de colesterol exigidos para evitar a aterosclerose, doença que entope as artérias de gordura, vem diminuindo no decorrer dos anos com as observações das pesquisas científicas . Desta forma quanto mais baixo o LDL, menos depósito de gordura nos vasos e menor a possibilidade de desencadear problemas

    Dr. Carlos Alberto Pastore, cardiologista
    Fonte : Sabor & Vida Diabéticos

    sábado, 2 de outubro de 2010

    Uma inovadora e experimental vacina contra diabetes que visa células chave do sistema imunológico reverte o diabetes

    Na revista científica Diabetes o Dr. Nick e colegas escreveram que uma única injeção da vacina atrasou significativamente a diabetes recente em ratos e oito injeções consecutivas reverteram a doença.
    Estudos similares em ratos estabeleceram que a hiperglicemia (taxa alta de açúcar no sangue) mostrou que duas injeções da vacina por semana, por não mais do que 25 dias, poderiam reverter a hiperglicemia e manter níveis normais de açúcar no sangue, mesmo após a vacina ser interrompida.
    Partes de uma proteína contida na vacina mostraram que poderiam efetivamente religar as células do sistema imunológico, chamadas de células dendríticas, para suprimir a diabetes.
    “Certamente [esta vacina] não irá ‘reverter’ a doença em uma pessoa que tem diabetes há mais de cinco anos”, disse o Dr. Nick Giannoukakis, da Universidade de Pittsburg, EUA.
    A vacina para a “cura do diabetes” será testada, para que seja verificada sua segurança, em voluntários com diabetes tipo 1, o que completará os estudos preliminares já em progresso. Assim que a sua segurança for confirmada será testada a habilidade da vacina em reverter diabetes recentemente diagnosticada e a anulação de sua evolução. “Nós esperamos começar isto no fim de 2010 ou começo de 2011”, disse o Dr. Nick. Não foram relatados os sintomas da diabetes que os animais exibiam.
    Fonte: http://www.portaldiabetes.com.br/conteudocompleto.asp?idconteudo=20542

    quarta-feira, 29 de setembro de 2010

    Sexualidade Masculina & Diabetes

    Diabetes pode causar ejaculação precoce?
    Sim e o problema pode ser causado por neuropatia diabética, explica o urologista Paulo Rodrigues, do Hospital 9 de julho. Essa é uma disfunção ainda mais freqüente que a impotência, mas, se for tratada precocemente, pode ser revertida.
    Paulo Rodrigues - "À semelhança da frigidez feminina, as disfunções sensoriais masculinas conhecidas como ejaculação prematura ou rápida, constituem-se nas disfunções sexuais mais frequentes, apesar da crença de que o problema mais comum seria a impotência sexual.
    Essa disfunção é raiz de enorme apreensão e fonte de muita ansiedade para o homem sexualmente ativo, pois ele sabe que a sexualidade feminina apresenta uma velocidade de excitação muito mais lenta. Por isso, a ejaculação prematura masculina põe fim à expectativa da companheira e inibe a repetição do ato sexual entre os parceiros, dificultando uma vida sexual plena.
    A insegurança e diminuição da auto-estima que resultam dessa situação podem ser a razão de os homens não relatarem aos médicos tais problemas. Estima-se que somente 12% procuram tratamento. O panorama fica mais assustador quando se constata que até cerca de 16% dos que apresentam ejaculação precoce o fazem antes de ter havido a penetração vaginal, diminuindo inclusive a chance de gravidez, quando ela é desejada.
    No entanto, o problema tem solução, mas é indispensável que os pacientes procurem reverter esse quadro o mais rápido possível, sob pena de consolidar a disfunção de maneira irreversível.
    Como qualquer sistema elétrico, as vias neuronais apresentam "caminhos" que se excitam diante de uma determinada atividade. Os nervos envolvidos nesse caminho consolidam-se e passam a ser avenidas "preferidas" de condução dos impulsos nervosos. Na ejaculação, as vias adrenérgicas (que liberam adrenalina) e serotoninérgicas (que liberam a serotonina, responsável pela sensação de prazer e bem-estar) conduzem os impulsos nervosos responsáveis pela ejaculação. Essas vias deveriam ficar excitadas somente após a ereção e a penetração ocorrerem, mas, em alguns casos, vias alternativas excitáveis tornam-se mais propícias e conduzem inadvertidamente os impulsos nervosos que resultam em ejaculação prematura.
    Em pacientes diabéticos tipo 1 ou insulino-independentes, a possibilidade de queixas de ejaculação prematura ocorre mais precocemente em virtude da micro-neuropatia frequentemente associada.
    O tratamento, sempre possível, baseia-se no uso de medicamentos que podem, entretanto, ter efeitos colaterais, como boca seca e obstipação (prisão de ventre), que precisam ser monitorizados. Eles não provocam alterações na glicemia. Além disso, também a dose precisa ser ajustada para cada necessidade individual."

    Leia mais sobre Disfunção Erétil: Portal Diabetes

    domingo, 26 de setembro de 2010

    Será que iremos viver cada vez mais? por Dr. Ney Cavalcanti

    No século 20, foi o período da história em que houve o maior aumento na sobrevida humana. Nos países desenvolvidos cerca de  30 anos, a maior quantidade de anos vividos, também ocorreu nas nações em desenvolvimento.  
    O Brasil   foi um dos recordistas, entre as décadas de 50 e 90. A expectativa de vida dos brasileiros aumentou de 20 anos, nesse período. E como se conseguiu tamanha melhoria  naquele século?  
    Nas primeiras décadas os fatores principais foram às evoluções não médicas, melhora na nutrição, no saneamento, na moradia etc. Após a década de 40 a evolução da medicina passou a ser o principal  responsável.  
    Novas drogas, vacinas, novos procedimentos, novos recursos diagnósticos e terapêuticos surgiram, em quantidades e velocidades, até então nunca ocorridas.  
    Há muito, os países desenvolvidos, aumentam os gastos em saúde mais do que o crescimento de suas economias. Como resultado, a expectativa de  se atingir 65 anos de idade em um país desenvolvido, no inicio do século, era em torno de 40%. 
    Nos dias atuais mais do que dobrou, ( 81%). Este grande aumento no número de  anos vividos irá  continuar nas próximas décadas? Muito provavelmente, não.  
    Dois são os motivos principais. Em primeiro lugar os custos com a saúde estão atingindo patamares astronômicos, inaceitáveis. Os governos têm muitas outras diferentes obrigações, que não a saúde e que precisam ser cumpridos.  
    Educação, estradas, moradias, saneamentos, segurança, são algumas delas. Com tantos gastos na assistência médica, sobra menos recursos do que os necessários para cumprir as outras  atividades, também essenciais.
    A própria saúde é prejudicada pelos seus altos custos. Os grandes gastos nesta atividade é uma das justificativas para que mais de 40 milhões de americanos não tenha direito a qualquer tipo de assistência  médica, exceto para emergências.  
    Dinheiro despendido para pagar cobertura médica, dos que atualmente são assistidos  é tão grande que não permite universalizar o atendimento. É nesta direção à proposta do presidente Obama.  
    Racionalizar os custos, para permitir atender muito mais pessoas. As inovações na medicina, diferentemente de outras atividades, quase nunca produzem menores gastos. Na eletrônica, os televisores e fones celulares, estão cada vez melhores e mais baratos.  
    Na medicina, quase sempre ocorre o contrário. Como exemplo as descobertas da tomografia computadorizada e da ressonância magnética foram dois importantes progressos, que permitiram as realizações de diagnósticos mais precoces e  corretos. No entanto, elevaram em muito os  custos.  
    As descobertas que causaram redução de gastos são raras, os antibióticos é um dos poucos exemplos. O outro e  tão ou mais difícil obstáculo, para que se aumente  expectativa atual de sobrevida, é que ao contrario de antigamente, o seu aumento deverá ser feito principalmente com os idosos.  
    Ora, neste grupo etário não só é muito mais difícil, como muito mais oneroso. Uma das principais causa de morte nessa população é o câncer. Patologia esta, que mata no mundo muito mais do o AIDS a tuberculose e a malaria juntos. E a sua terapêutica é extremamente cara é de uma eficácia muito menor do que seria desejável.

    Diante dessas duas grandes dificuldades, uma corrente de cientistas propõe que ao invés de investir maior soma de recursos, na tentativa de aumentar o numero de anos vividos, investir na melhoria da qualidade de vida.
    Minimizar as diminuições de funções que a idade acarreta. Destinar mais dinheiro para a pesquisa na prevenção e tratamento dos déficits, da memória, da visão, da audição, da movimentação, da atividade sexual etc. E você o que prefere viver mais ou menos, com melhor qualidade de vida.

    sexta-feira, 24 de setembro de 2010

    Como identificar e evitar a hipoglicemia

    Portal Diabetes                                                     

    Hipoglicemia não é uma doença, é uma consequência de alguma doença ou uso de medicamentos e significa baixo nível de glicose no sangue. Os níveis sanguíneos considerados normais são de 60 a 99mg/dl. 

    Em geral, abaixo de 50 a 60mg/dl ocorrem os sintomas. Os mais comuns são:

    • Fome, borborigmo ("ronco" na barriga)

    • Tremores, ansiedade, nervosismo

    • Palpitações, sudorese fria, dor de cabeça

    • Náusea, vômito, desconforto abdominal

    • Cansaço, fraqueza, dificuldade de raciocínio

    • Confusão, tontura, indisposição não específica
    Em casos graves, o indivíduo pode perder a consciência (desmaios ou até coma) ou ter crises convulsivas.

    A hipoglicemia ocorre quando não há níveis de glicose suficientes no sangue para fornecer energia às células do cérebro. As outras células do corpo conseguem obter energia através da quebra de gordura (inicialmente) e proteínas armazenadas, mas o cérebro é nutrido exclusivamente por glicose. Portanto, os sintomas funcionam como um "sinal de alerta" de que os neurônios estão sofrendo.

    Existem várias causas para a hipoglicemia:

    • Consumo de álcool (causa mais freqüente)

    • Jejum prolongado

    • Esforço físico (músculos consomem a glicose circulante)

    • Medicamentos: insulina e antidiabéticos orais são os principais, mas pode ocorrer com aspirina, antiinflamatórios, beta-bloqueadores (ex: Propranolol), antibióticos

    • Hipoglicemia reativa (ocorre 1 a 3 horas após as refeições, por rápida absorção dos carboidratos)

    • Tumores produtores de insulina (muito raros)

    • Cirurgia para diminuição (cirurgia para obesidade) ou retirada do estômago (câncer de estômago)

    Nos pacientes diabéticos, a hipoglicemia é mais frequente. Ocorre principalmente por uso de medicamentos orais ou insulina sem alimentação adequada. Os medicamentos para diabetes, tanto orais quanto insulina, têm como objetivo diminuir a glicemia, e a maioria o faz independente da ingestão alimentar. Portanto, se o paciente não se alimentar corretamente, com intervalos regulares, corre o risco de ter hipoglicemia.

    Para evitar a hipoglicemia, além do tratamento específico para cada causa, é importante:

    • Evitar períodos prolongados em jejum, alimentar-se a cada 3 ou 4 horas

    • Evitar atividade física sem se alimentar e repôr as perdas se exercícios prolongados

    • No caso de hipoglicemia reativa, evitar ingestão de carboidratos simples (açúcar branco, farinha branca, doces); prefira carboidratos complexos (arroz integral, farinha integral) ou associação de carboidratos com gorduras ou proteínas (ex: pão com manteiga e não puro), que demoram mais a ser absorvidos

    Se você tem esses sintomas, diabético ou não, procure seu endocrinologista para investigar e tratar! E não "aguente a crise" sem comer, isso é muito prejudicial! 
    Dra Patricia Baines Gracitelli